Thursday, December 31, 2015

Adeus ano velho, olá ano novo!

Que o novo ano traga muito tapa na bunda...


 ...e brincadeiras safadas...


...com muito juízo e boa disposição. São os votos da Mente Feminina.

Monday, December 28, 2015

Conversas com o fã #3


Fã #3: Bom dia
MF: Oi
Fã #3: tudo bem?
MF: Sim
Fã #3: A trabalhar?
MF: N
Fã #3: em casa com o marido?
MF: N
Fã #3: sozinha ou com os miudos?
MF: Sozinha
Fã #3: hummm... como eu...quer companhia?
MF: Pois. N estou é em casa. Lol. Obg
Fã #3: então? está onde?
MF: Na rua
Fã #3: e eu que queria provocá-la...
MF: Lol. N dá mt jeito
Fã #3: vai para casa?
MF: N. Vou buscar uma prenda para a minha mente
Fã #3: e quando chega a casa?
MF: Daki a uma hora sensivelmente
Fã #3: e quer ser provocada?
MF: Loool. Hj confeso que irá ser complicado. Vou deixar de estar sozinha. Qual era a sua ideia?
Fã #3: ligar a webcam...estou no portátil e sozinho em casa... eheheh
MF: Lol. Isso nunca fiz, mas tb parece k hj n vai ser
Fã #3: gostava de fazer?
MF: Sou tímida. N sei se teria esse à vontade
Fã #3: para ver? ou para mostrar?
MF: Lol, nem sei
Fã #3: logo se veria...mas de a imaginar já estou com o caralho durinho...
MF: Lool. Vc é mt imaginativo
Fã #3: a Mente Feminina  não é ?
MF: Sim, de vez em qd
Fã #3: mas agora tem a mente ocupada com a prenda que vai dar à sua mente...
MF: Pois, mas gostei da conversa. Talvez a publique
Fã #3: lol... gostou da hipótese?
MF: Da conversa
Fã #3: ficou molhadinha?
MF: Lool. Gostava de saber, estou a ver...
Fã #3: adorava saber...
MF: Mas olhe, para publicar preciso de já sabe o quê...
Fã #3: precisa de fotos?
MF: Sim, um pouco alterada. Sim, disse que estava duro...
Fã #3: e está...recebo algo em troca?
MF: Hum, n sei
Fã #3: vou tirar a foto...


Fã #3: Gosta?
MF: Sim, boa perspectiva  Algum pedido especial?
Fã #3: tirei mais duas mas acho que não ficaram bem. Quero ver a sua rata bem aberta...
MF: Ok
Fã #3: ou um dos filmes de que falou...
MF: Lool, uma assim n tenho, mas deixe cá ver uma da saga das cuecas roxas
Fã #3: ok, vai enviar agora?
MF: Esta é exclusiva. Nunca enviei a ninguém
Fã #3: hummmm... estou curioso
MF: Tenho de ir
Fã #3: não recebi...


Fã #3: que apetitosa... posso lamber?
MF: Lool. Fui
Fã #3: vai para casa? à tarde estarei por aqui... se quiser continuar a conversa...
MF: Hj n deve dar, mas já ficou bem interessante. Jokitas Femininas.
Fã #3: hummm... se der, diga pode ser que tire todas as duvidas acerca de grossura e comprimento

Thursday, December 24, 2015

...Christmas!




Wednesday, December 23, 2015

...fucking...









Tuesday, December 22, 2015

...a merry...



Monday, December 21, 2015

I wish you all...



Friday, December 18, 2015

Conversa com o fã PDR ou diálogo entre corpo e mente.


Fã PDR: Olá Mente Feminina, muito boa tarde!
MF: Olá PDR. Muito gosto. Tenho seguido o seu blog, o qual aprecio bastante.
Fã PDR: Sim...Vi que sim, pelos comentários que às vezes deixas. Estou roubando uns minutos aqui no trabalho para falar contigo e e dizer que teu blog me deixa alucinado. Fico de pau duro quando o leio e mais agora falando contigo aqui pelo Facebook.
MF: Fica assim tão excitado...?
Fã PDR: Fico, meu pau começa a endurecer, e fico maluco para tirá-lo e mostrar a você....
MF: Não acredito.....por que toda essa tesão por mim?
Fã PDR: Acredite.... é só começar a conversar contigo que meu pau se atiça... és uma mulher escultural, bela, deliciosa... gostosa. Um tesão de mulher. Pois olhe a prova do que falo....


MF: Hum , paudurice como vocês dizem, loool. Vejo que tem um belo exemplar.
Fã PDR: É todo teu, se quiseres... Estou no trabalho e quero endurecê-lo para você.... quer?
MF: Por mim, está à vontade, mas veja lá se não arranja problemas no seu local de trabalho😉
Fã PDR: Por você eu corro o risco.
MF: Lol, ok. Agora fiquei curiosa…
Fã PDR: Espere um minuto que vou ao WC e lá eu tiro...
Fã PDR: Voltei. Eis aqui o tamanho de meu desejo por ti.


MF: Hum, apreciei a grossura, muito interessante. Já agora, matou o desejo?
Fã PDR: Te de mostrar sim... Não matei o desejo de te colocar ele todo na tua bucetinha, no teu rabinho.... colocar você para chupá-lo, gozar em tua boca...
MF: Eh lá, não sei se quero isso tudo, nem se terei permissão para
…😉 mas também a distância parece não ajudar muito...
Fã PDR: Pois, teremos que ficar pela imaginação...
MF: Pois, lá terá que ser, Mas olhe, para despoletar ainda mais a sua imaginação deixo-lhe aki um recuerdo de como me estou a sentir agora...



Fã PDR: Hum, que delicia. Adoro uma mulher assim, bem molhadinha e com desejo ;) Tenho de ir...  o chefe está para chegar...
MF: Ok. Só mais uma coisa. Queria deixar uma foto para compensar a distância. tem alguma preferência? Pernas, bunda, vestida, com pouca roupa, nua?!
Fã PDR: Tua bunda moça...é uma coisa maravilhosa de se ver...visão do paraíso, lol
MF: Loool, deixe cá ver se consigo escolher uma à altura da sua experiência de vida.
Fã PDF:Ahh não...
MF: ;P
Fã PDR: Tadinho de mim. Se sua bunda fosse minha eu faria um poema para ela todo o dia que a comesse... O Mente Masculina é mesmo um homem de sorte :)
MF: A bunda é bem normal, nas fotos escolho sempre as que mais me agradam.
Fã PDR: Você é toda linda.
MF: Obg. Assim fico sem jeito :) Olhe, aki segue a foto. Espero que goste e aprecie. Jokitas femininas.


Tuesday, December 15, 2015

Musical moment...


I really do not appreciate the tune but I really enjoy the lyrics..

Friday, December 11, 2015

Fragmentos noturnos 3


- Deixas-me chupar?
- Não, hoje não.
- Porquê?
- Porque hoje eu quero isto!
- Mas se não deixas chupar, eu não dou...
- Ai dás, dás!
- Não, não dou...
- Ai dás, dás!
- Nop, se não me deixares chupar, não dou...
- Vá, então podes, uma, duas, vá, três vezes...


Wednesday, December 02, 2015

Back to backs 5



Friday, November 27, 2015

Have a great pussy licking weekend...



Travessia...

Hoje a noite foi longa, mas o destino foi alcançado.
Hoje por terras de Vera Cruz, aqui neste preciso local.

Wednesday, November 25, 2015

Senta-te...


Senta-te no sofá que eu já vou.

Hoje é um dia igual a tantos outros mas diferente para nós. Por isso, senta-te que eu já vou.
Já te vou devorar como gosto. Sentir a tua virilidade na minha boca.
Mas primeiro devoro-te a boca e tu sugas a minha para dentro da tua com violência e eu desco. Beijo o teu corpo que tão bem conheço, do pescoço até ao centro onde tudo conflui.
Desperto-te o cinto e desabotoo-te  as calças como já não fazia há muito tempo. Como um casal de namorados que aproveita todas as oportunidades. Como uma puta a satisfazer o seu dono.


E agarro o pau e começo a deliciar-me. Pois realmente gosto de te fazer isto. De te chupar, de te comer com a minha boca gulosa de ti.

E o ritmo aumenta e sinto a tua mão na minha cabeça de maneira a enterrar o teu pau na minha boca que quase não consigo respirar e abrando. Os olhos da puta encontram os teus e cospe-te no pau. O som ecoa nas paredes e ela continua. Chupa e cospe. Cospe e chupa. E a boca e o pau não se separam, mesmo sem contacto, pois a saliva já está por todo a lado e não parte. Ela chupa as bolas e aperta a pau que responde na sua mão. Consome-o mais uma vez. Chupa, lambe, mordisca a cabeça ao de leve como ela gosta. Ela gosta mesmo de o sentir na sua boca. De o dominar assim. E sente. E tira-o da boca e envolve-o na sua mão. Puxando a pele toda para cima e para baixo ritmicamente. Ele pede mais devagar e e ela obdece.  Com a destreza da mão ela vai subindo e descendo e sente a mudança do pau e continua. A contração dele é forte. A violência sente-a no seu corpo. E a minha mão fica quente e húmida. E a tua essência jorra para cima da tua  barriga. E eu ajudo a espalhar com a ponta da língua.
                                                        Amo-te.

Tuesday, November 24, 2015

Saturday, November 21, 2015

Conversas com o fã #3

"Fã #3- Aquela foto com vista para a parte de trás...ui, ui. Gosto assim com curvas.


MF- Sim, tenho anca larga. Já viu a sorte da minha mente. Obrigado pelo elogio.
Fã #3- Não precisas de agradecer... a tua mente é um sortudo. Mas confesso que há pouco estava bem excitado.
MF- Com o quê?
Fã #3- Com as tuas curvas. Incomoda-te saber que fiquei excitado com a tua foto?
MF- Queria saber era com o quê? Se com o texto ou a foto?
Fã #3- Primeiro com a foto e depois com o texto, ainda mais duro ficou...
MF- Ok. Não me incomoda nada.
Fã #3- Se te tivesse enviado a foto do estado dele é que te incomodaria.
MF- Pois, você está tentado, mas eu não faço questão.
Fã #3- Estava tentado...
MF- Ok. Desculpe a incorrecção verbal...
Fã #3- Tinha-o na mão, duro... e o telemóvel na outra a conversar contigo."

O fã #3 não resistiu e acabou por enviar uma foto que apreciei por ter uma perspectiva criativa e diferente das que costumo receber, que aqui partilho com a devida autorização. Agora só me falta cumprir o que prometi...



Thursday, November 19, 2015

Back on track...3


Friday, November 13, 2015

Back to backs 4

Wednesday, November 11, 2015

...happily ever after.


Agora era altura de brincar com o R. Ele queria as duas à sua disposição. Ele levantou a Mente do chão e colocou-a de quatro sobre a cama. Confirmou que ainda estava bem molhada e começou por enfiar os dedos. A L. andava de roda dele e quando ele penetrou a Mente, trocaram um forte beijo.

A Mente sentia toda a sua pujança dentro de si. O R. mantinha um ritmo lento e profundo e ela sentia-se bem preenchida. Com a mão tocou nas coxas do R. e deu indicação para ele parar. Agora era ela que comandava o ritmo. Aumentando e diminuindo, gradualmente. No ritmo lento queria sentir o pau a entrar bem fundo e quase a sair... ela gostava muito assim e continuou nessa alternância enquanto ele deixou...mas...

...não era de todo isso que a Mente queria por isso chamou a L. e trocaram. A L. colocou-se à disposição do R. e a Mente foi rodeá-lo. Beijou-lhe as costas, agarrou-lhe o quadril e ajudou-o a penetrar mais profundamente a L. que gemia cada vez com mais intensidade.

Depois colocou-se em frente da L. e deixou que ela a comesse mais uma vez, desta vez com a intensidade do L., que sentia nos movimentos da sua boca. E veio-se novamente, tal foi a mestria da L.

O R. queria possuir novamente a Mente, mas ela não queria mais pau dentro de si. Ele conformou-se e agarrou a L. de forma em que ela ficou no ar com as costas coladas ao peito dele. E assim a possuiu lenta e intensamente enquanto a Mente lhe chupava o clitóris e de vez em quando ainda passava a língua do seu pau quando ele entrava e saia da rata da sua L.


Com vigor, chupou a L. e com a pontinha da sua língua, ela atingiu novamente o climax que se traduziu num pau cada vez mais molhado cada vez que saía...

Mas agora estava na altura de se ir embora.  Já  tinha satisfeito a sua curiosidade e gozado em pleno. Deixou-os colados um ao outro, para o R. gozar com a L. na sua intimidade. Um último beijo a cada um. Pegou no seu vestido e vestiu-o. Dirigiu-se para a penumbra junto à porta do quarto e virou-se de costas.

Ao lado da porta havia um sofá. Ela sentiu o calor do seu corpo há medida que se aproximava dela. Sentiu a mão da Mente Masculina na sua anca enquanto a outra lhe subia o fecho do vestido. Virou-se para ele e em silêncio apenas se olharam. Reparou que um ciúme prazeroso lhe deixava,  por breves instantes, um leve sorriso na cara. Beijaram-se, demoradamente, e dirigiram-se para a porta. Terá ele gostado do sabor da sua boca? A Mente pegou-lhe na mão com determinação.
   
                                                                    Agora, era a vez dele.

Tuesday, November 10, 2015

Fragmentos noturnos 2


- Deixas-me chupar só mais um bocadinho?

- Não sei, é melhor não...
- Vá lá, só mais um bocadinho...eu faço devagarinho.


Friday, November 06, 2015

...and they lived...


Ora subia a língua de uma ora descia a língua da outra. Sempre que se encontravam no início do pau chupavam a lingua uma da outra. E assim foram continuando à medida que sentiam o R. a aumentar a sua virilidade. Depois a Mente parou. A L. assumiu o controlo.

Continuou a lamber e a deixar o pau bem molhado. Apertou a cabeça na boca e sentiu o pulsar e lentamente foi enfiando-o todo na boca. Algumas vezes. Depois com as mãos puxou a pele para baixo e foi lambendo e chupando a pontinha onde já sentia um certo sabor salgado. Ela olhou para a Mente. O R. sentou-se na beira da cama. A L. continuou de pau na boca e chegou-se ligeiramente para o lado. E a Mente atacou as bolas e o períneo. Lambendo e sugando as bolas suavemente, enquanto a L. ia controlando a intensidade pois o R. ainda queria muito mais.


Mas a Mente estava ali por outro motivo.

Deslargou o R. e pediu à  L. para ir novamente para a frente do R. E ela deitou-se no chão com o sexo da L.  alinhado com a sua boca. No espelho podia ver que a L.  olhava para baixo na expectativa enquanto tinha o pau inchado na sua mão. A Mente olhou-a nos olhos e depois para os olhos do R. como que a pedir autorização. E começou.

Com a ponta da língua percorreu as virilhas nuas da L. Também ela estava lisinha e assim podia sentir tudo com mais intensidade. Ela já estava bastante molhada. Até as virilhas já sabiam a sexo. Uma acidez salgada.


E passou-lhe a língua pelo sexo, sentindo a textura mole e esponjasa dos pequenos lábios. Chupo-os suavemente e sentia a elasticidade da pele dentro da sua boca. E com a língua procurou o monte de Vénus. Uma irregularidade suave mas com estrutura. E chupou com muito cuidado, suavemente. E com os dedos sentia as paredes da L. em volta do buraco da rata, inchadas como a quererem sair. Enfiou dois dedos e sentia o calor húmido e a textura mole. Depois tirou um dedo e ao mesmo tempo que chupava e lambia o monte massajava-lhe a pele do períneo e sentia a cada lambidela mais intensa, essa pele a encolher e a esticar.

E foi chupando e lambendo como se de um gelado se tratasse e foi sentido o monte a aumentar e a enrijecer. Brincou um pouco com os dedos nele, mas o que ela queria era comer com a boca e assim fez. Gradualmente foi aumentando a intensidade. Dava conta que de vez em quando a L. parava de chupar o pau e arqueava as costas e tilintava as coxas.

Devia estar quase.

E então não tirou mais a boca do monte e os dedos de dentro dela. E lambeu e sugou e sentiu o sabor a mudar, cada vez mais salgado, e os dedos cada vez mais melados e de repente sentiu os seus dedos a ficarem apertados e colocou um dedo no períneo e sentiu a violência das contrações e toda ela se mexia em cima dela enquanto tinha a boca preenchida pelo pau do seu R.

Fragmentos noturnos 1


- Gosta assim?
- Sim...
- Porquê?
- Gosto de sentir assim apertadinho...
- E queres sentir mais apertadinho?
- Onde?
- No rabinho...
- Tu queres?
- Sim, se tu quiseres... eu deixo.

Wednesday, November 04, 2015

E...ainda pela noite dentro.


E é isso que faz. Mas é ela que comanda. Sobe para cima dele. Monta-o. E enterra o seu pau dentro de si. E ele arqueja o corpo para cima. Com as mãos em volta do seu rabo. Enterrando-a com mais força. Com vontade de atingir o limite. Mas ela não deixa. Desmonta-o e chupa-lhe o pau. Sabe ao sexo dela. E ela gosta. Consome o seu sexo com a ajuda das mãos dele. Ela trabalha a língua na cabeça. Lambendo...assim...muito...devagar...
E ele pega nela. Deita-a na cama e volta a chupá-la, a lamber. E a cada passagem ela sente as paredes da rata a abrirem-se. E ele vai. Entra nela. Ela sente entrar da ponta até à base. Uma vez. Duas vezes. Três vezes.
Mas hoje não.
Hoje nao é isso que ela quer.
Ela quer ele noutro sítio.
Na boca.
E puxa-o para cima de si. Ali mete o caralho na boca e come. Ele fode-lhe a boca com força. O pau desaparece e ela continua. Suga, chupa, lambe. E sente. O pulsar. Dele. A pele inchada a expandir dentro da sua boca. Uma vez. Duas vezes. E o som indica. Que está quase. E ele quer sair. Mas não. O que ela quer é  isso mesmo. E ele não aguenta. O pau implode na sua boca e ela sente o quente do seu néctar que jorra a cada contracção e escorre pelos cantos da boca em direcção ao seu pescoço, descendo ate ao peito. Era isso que ela queria. Ele beija-a e ela retribui. E agarra-lhe a cabeça com força. Ela procura o seu ouvido e sussura:
                      - Tinha saudades do teu sabor.
                                                     E ele responde.
                                                                                Com pele de galinha.


Monday, November 02, 2015

...far away land...


Viu o R. a levantar-se e sentiu a L. a abrir as suas pernas e, levemente, com a ponta da língua, a percorrer as suas virilhas. Estava quente e húmida. E quando sentiu a língua da L. no seu sexo todo o seu corpo se arqueou. Era um toque só possível entre duas mulheres. A L. chupou-lhe levemente os lábios e lambeu a entrada da sua rata, sentindo-a bem derretida. Sentiu a sua língua aveludada no seu clítoris, beijando-o e chupando-o com extrema delicadeza. Depois sentiu os dedos a deslizarem para dentro dela e num movimento sicronizado com as lambidelas no seu clítoris que oferecia cada vez mais resistência à língua da L. 

As mãos do R. percorriam os seus seios. Com uma mão, a Mente segurou-lhe o pau e olhou novamente para a penumbra que envolvia a porta. E começou a fazer suaves massagens com a mão. Sentia a pele do R. a deslizar acompanhando o movimento da sua mão. Pelo espelho viu que ele explorava o sexo da L. com as mãos  e sentia a resposta dela no seu sexo com uma língua a trabalhar cada vez com mais intensidade, exercendo cada vez mais pressão.

Uma, duas, três vezes. Sentia o seu corpo a estremecer. A L. soltava murmúrios de prazer que se iam intensificando à medida que o R. vasculhava o seu interior. E aquele som percorreu o quarto e a Mente já não aguentava mais. A L. lambia, chupava e de repente sentiu que apertou os dedos dela no seu interior e já não conseguiu suster mais as contracções. Ela sentia que a língua que a chupava e lambia, desenhava um oito em volta do seu sexo. Viu também que a L. se contorcia em cima de si. As mãos do R.  estavam agora mais calmas entre as pernas da L.  Ela subiu e deitou-se sobre a Mente. Beijo-a e ela sentiu o seu sabor acido na boca e nas mãos  da L. 

No espelho viu o R. a colocar a L. de quatro e a olhar para si a pedir o mesmo. Assim ficaram, lado a lodo a beijarem-se enquanto o R. ora beijava a L. na rata ora beijava a Mente. Ora enfiava os dedos numa ora enterrava os dedos na outra...e assim se seguiu mais um intenso climax que terminou com o som de umas palmadas convictas nas nádegas de cada uma.

Era o sinal.
Elas olharam para trás e viram. O sexo inchado a pulsar contra os boxers.
Era a vez dele.
Iam começar.

O R. sentou-se na beira da cama e elas aproximaram-se tipo leopardos. A L. tirou-lhe os boxers e o seu pau ficou à disposição das duas. Em frente à sua cabeça beijaram-se e quando se descolaram, cada uma colou a ponta da sua língua à cabeça e foram deslizando com a língua até à base.              
                                 
                                   Uma de cada lado.

Thursday, October 29, 2015

Back on track... 2


Also back from the ashes.


Missed my white dress.

Tuesday, October 27, 2015

"Carta" de um fã.


Nas arrumações que tenho vindo a fazer ao blogue, encontrei esta mensagem na caixa de correio e que resume basicamente um dos significados deste meu cantinho e claro a simpatia das palavras que muito me agradou. Na altura agradeci em resposta, mas agora aqui fica para a "eternidade virtual".

Olá
só posso dizer o que os sentidos mandam, e, por vezes, nem sequer isso.
pudor, falso pudor, medo ou outra coisa qualquer,
a verdade é que gosto do teu blog, gosto do que escreves, gosto de te ver (sempre o meu lado voyeur!)
gosto de também estar no sexo e no amor pelo olhar da mulher
deve ser o meu lado feminino a falar
o amor é assim uma coisa que por vezes sucede à paixão
mais doce, mais suave, mais no tempo
mais de carícia e dedos a deslizar
com saltos de paixão e unhas a arranhar
e o sexo então é mais penetrar, e roubar,
alma, prazer,
e dor de despertar e continuar, porque o mundo vai mesmo acabar,
e há que o beber, esgotar, até à última gota.
bem, comecei por ali, e já vim até aqui.
isto tudo para te dizer que o teu corpo e as tuas palavras, o que mostras e eu vejo (ou deixas que veja, o resto adivinho...),
que o escreves e me dizes, como o dizes e descreves,
se resumem a uma coisa. desejo.
mas, já que aqui estou, e tu aí, pelo menos que saibas que gosto e desejo,
e não pares, continua, assim, que é bom, como é bom,
continua , assim,
e eu também.
um beijo

f

24/03/2009

Obrigado Fermat Fran.
Negritos meus.

Monday, October 26, 2015

... in a very, very...


A L. encaminhou a Mente para a cama onde foi convidada a deitar-se. Viu a sua imagem reflectida no espelho. Os tons vermelhos do quarto deixavam a sua pele ainda mais ruborizada. Sentia um calor nas maçãs do rosto e de repente...deixou de se ver. Fechou os olhos e sentiu um toque diferente nos seus lábios. Era um toque masculino que explorava a sua boca. Um beijo forte e intenso que tinha o mesmo sabor que o beijo da L. Que pedia a mesma coisa. Pedia sexo.

... e nos joelhos começou a sentir um toque sedoso. O roçar dos cabelos da L. que ia subindo devagar dos joelhos até as suas coxas acompanhado com o toque quente das suas mãos. E a Mente, com as suas mãos, procurava alcançar os seios rijos com os bicos salientes que entrelaçava nos seus dedos.


O R. ia descendo, beijando-lhe o pescoço e, com um toque firme, agarrou os seus seios, explorou os mamilos com os seus dentes, com suaves trincas ao mesmo tempo que, com as mãos, percorria o ventre das costelas até às ancas. Sentia a respiração profunda da Mente que a cada expiração colava a barriga com as costas.

... e o toque da L. ia-se aproximando do centro de gravidade. Ela sentia o calor dos dois corpos. As mãos do R. As mãos da L., o seu cabelo a roçar ao de leve por onde andava a sua cara. Deu por si a arfar de expectativa. Deu por si molhada só de imaginar o que se aproximava. Mas deixou de sentir o toque dos dois lábios. Sentia apenas o toque das quatro mãos.

Abriu os olhos e pelo espelho viu que por cima da sua imagem reflectida, eles trocavam um caloroso beijo. Via-os a mordiscar os lábios um do outro. O R. apalpou os seios da L. com vigor e a Mente não resistiu mais. Fitou a porta do quarto, que estava envolta na penumbra provocada pelo jogo de luzes, e sorriu como se tivesse chegado a algum tipo de conclusão.

Percorreu o tronco do R. Com as mãos. Do peito até  às ancas. Aproximando-se do centro. Sentiu a irregularidade topográfica que se elevava e agarrou com força. Sentiu o pulsar e o enrijecer à medida que o ia apertando e no espelho via as costas do R. a arquearem-se ao mesmo tempo que tinha os lábios da sua L. entre os seus dentes. Mas ele tinha que esperar.
Ainda não era tempo.
                                      Para isso.

Friday, October 23, 2015

Ainda pela noite dentro...


Ele explora-a com os dedos enquanto se beijam, violentamemte. Ele puxa-a mais para cima e consome-lhe o âmago que lateja a cada toque da sua língua. Lambendo. Chupando. Beijando. Ao mesmo tempo que lhe agarra os seios e lhe aperta os mamilos com força.  E ela derrete-se. Contorse-se de prazer. E não lhe resiste mais... Desce. Procura o seu pau e consome-o. Mordisca. Chupa. Faz desaparece-lo na sua boca. Tira-o. Mordisca-o. Chupa-o. Lambe-o. Bate com ele na sua língua. E olha para cima. Os seus olhos encontram-se. Um olhar que faz calor de tesão. Ela gosta de o ver assim. Rendido. Entesado. Vigoroso. Duro. Com vontade de a foder.


Wednesday, October 21, 2015

Back to backs 3





Monday, October 19, 2015

Once upon a time...


Eles já lá estavam. O quarto tinha tons de vermelho que provinham dos pequenos candeeiros que iluminavam o espaço. Quando ela entrou só conseguiu ver os contornos dos seus corpos junto à cama. Olhou em volta e reparou que a imagem se reflectia em todas as paredes do quarto. Eles estavam frente a frente e trocavam um intenso beijo, mas depressa repararam na presença dela. A L. virou-se e sorriu. Eram muito parecidas. Morenas, cabelo escadeado um pouco abaixo dos ombros. 

Lábios. Foi isso que lhe chamou à atenção. A L. tinha uns lábios deliciosos. Ela estendeu a mão e a Mente deixou-se ir...


Sentiu uma mão  à volta da sua cintura e a outra levou-lhe um copo aos lábios. A Mente bebericou e agradeceu pois estava nervosa. A mão da L. subiu e envolveu-se no seu pescoço. Foi beijando a face da Mente com suaves toques. Ela sentia os lábios carnudos na sua pele até que os sentiu nos seus lábios. O toque causou-lhe um calafrio, um sentimento que nunca tinha experenciado. Sentiu a língua da L. a tocar na sua e rapidamente respondeu. A sua boca sabia bem. Pedia sexo.

Perdidas no beijo quase não sentiram as mãos do R. nos seus ombros. Beijou cada uma na face enquanto elas continuavam. Foi para trás da L. Beijava a suavemente no pescoço e nos ombros e, através do espelho, a Mente viu o R. a descer o fecho do vestido  da L. que caiu levemente no chão. 


A Mente continuava a saborear a boca da L. e com as suas mãos começou  a percorrer os seus seios que responderam com pele de galinha.

Sentiu as mãos do R. no seu pescoço, os seus lábios nos seus ombros e o vestido dela a cair também ao de leve no chão.

O R. voltou a beijar-lhes a face e começou a percorrer as costas de cada uma com as mãos até à curvatura do quadril. Com um movimento  decidido e forte puxou as cuecas de ambas para cima. A Mente sentiu o seu sexo a pulsar com a forte compressão e soltou um mmm de prazer e compreendeu que a L. sentiu o mesmo pela mudança do seu beijar. O R. tinha decidido. Estava dada a ordem.
Para começar.

Wednesday, October 14, 2015

To ride or be ridden...



...that's the fucking question...


...I will try to find the answer!

Monday, October 12, 2015

Gosto...


Gosto que me beijes a rata.
Que a chupes e a lambas.
Com a língua mole.
Com a língua dura.
Com vigor.
Com contenção.
E eu sinto as minhas paredes a endurecer.
E a rata a abrir-se a cada espasmo que se vai tornando mais intenso.
Sinto-me a escorrer.
Molhada.
Da rata até ao rabo. A pingar de tesão.
E tu não paras.

O clitóris fica cada vez mais duro e oferece cada vez mais resistência à tua dura língua. Que o dobra, lambe e o rebenta... e os espasmos aumentam e eu já não aguento mais.

As contracções atingirem o auge e a rata distende-se com violência na tua boca. E meu corpo treme, a respiração torna-se ofegante e venho-me dentro da tua boca. E tu sobes. Dás-me a provar e vens. Bates-me com o pau na rata inchada e penetras bem fundo. E tiras o pau e esfregas-o na rata inchada. E voltas a enfiá-lo bem fundo. E tiras novamente. E eu peço-te para me foderes, para foderes a tua puta. Enterrares o teu pau. E sinto-o duro, a procurar as minhas paredes duras, a rasgar, a enterrar. A latejar e a pulsar. E sinto a tua cabeça a inchar e cada esguicho que o teu pau solta dentro de mim.

Gostas de ser fodida?

                                        Sim. Gosto. Adoro. Quero.

Friday, October 09, 2015

Have a great fucking weekend!



Monday, October 05, 2015

Como me deixas...



Inchada. Entesada. Desesperada.

Thursday, October 01, 2015

Pela noite dentro


A noite já vai longa, mas ela não quer saber. A tesão pulsa no sangue e o seu ventre está quente e húmido. Ela ataca e ele assusta-se. Mas tem que ser... ela tem necessidade dele. E ele rapidamente responde. Ela sobe para cima e beija os lábios que tão bem conhece, e a conhecem, e morde, belisca e beija com violência. Ele percorre-a com as mãos, puxa-lhe as cuecas para cima comprimindo o seu sexo e, credo, sabe bem. Com os dedos sente-lhe o estado líquido e ela pergunta, ao mesmo tempo que sente o seu sexo rijo, a começar a pulsar, se ele tem saudades. Ele diz que sim. Muitas. E ela também. De se sentir assim. Húmida. Molhada. Entesada. Poderosa. Com vontade de foder.